Beguine Solamente Beguine – Orquestra Serenata Tropical

Beguine

Resenha do Long Playing

Beguine Solamente Beguine – Orquestra Serenata Tropical

Originário das ilhas de Guadalupe e Martinica, o beguine é um ritmo semelhante a uma rumba lenta (ou até mesmo ao bolero), muito popular nos anos 1930/40/50. É uma fusão de ritmos locais,latinos e franceses, e era executado principalmente em salões de dança, chegando mais tarde a Paris. Na língua “creole” da Martinica, “beke” ou “begue” quer dizer “pessoa branca”, sendo “beguine” sua forma feminina.
É justamente o beguine que está em foco em mais este álbum da Orquestra Serenata Tropical, de Henrique Gandelman, selo Plaza, que o Baú de Long Playing nos oferece hoje. Possivelmente foi gravado em 1961, ano em que fizeram sucesso no Brasil a maior parte das doze faixas nele contidas.
Evidentemente, não poderia ficar de fora a música que popularizou o ritmo a nível mundial: “Begin the beguine“, do mestre Cole Porter, que a escreveu em 1935 para um musical da Broadway, “Jubilee”, de autoria dele mesmo. A música foi incluída, mais tarde, no filme “Melodia da Broadway de 1940″, produzido pela então todo-poderosa MGM, e nela dançado pela dupla Fred Astaire-Ginger Rogers, sendo várias vezes regravada (inclusive por Júlio Iglésias, lembram-se?). E, merecidamente, é a terceira faixa deste disco, basicamente composto de hits passados e então presentes em tempo de beguine. É o caso da faixa de abertura, “Never on sunday”, ou melhor, “Nunca aos domingos”, tema do filme grego do mesmo nome, estrelado por Melina Mercouri e mundialmente distribuído pela United Artists. Em seguida temos “La novia”, originalmente uma balada, grande sucesso do cantor chileno Antonio Prieto, que a gravou na Argentina. No setor erudito, se fazem aqui presentes, em ritmo de beguine, “Liebestraume (Sonhos de amor)”, escrito pelo húngaro Franz Liszt em 1850, e o “Concerto número 1″, do russo Peter Tchaikovsky. Na área popular, vêm: da França “Les feuilles mortes (Folhas mortas)”, da Italia, “Tua” (quarto lugar no Festival de San Remo de 1959), da Espanha, “Amapola” (cujo autor, Joseph Lacalle, radicou-se ainda jovem nos EUA) e “La violetera” (composta em 1914 por José Padilla, e muito popular no Brasil principalmente no filme de mesmo nome, de 1958, estrelado por Sarita Montiel), dos EUA, “The exodus song” (tema do filme “Êxodus”, produção norte-americana de 1961 que arrebentou nas bilheterias nessa época) e, finalmente, do México, o clássico “Solamente una vez”, do imortal Agustin Lara. Tudo isso compondo mais um excelente trabalho da Orquestra Serenata Tropical, tendo Henrique Gandelman à frente, para ouvir e, claro, dançar. Que tal tirar os móveis da sala agora?

Texto: SAMUEL MACHADO FILHO

Álbum: Beguine Solamente Beguine
Áno/Gravadora: (N/D) Plaza PZ 7004 – (MONO)
Outras Edições: (N/D) Plaza PZ 9004 – (STEREO)
Artista(s): Orquestra Serenata Tropical
Acervo: Carlão
Formato: Vinil – 320 kbps

Fonogramas Lado A
A01. Never On Sunday – (Manos Hadjidakis)
A02. La Novia – (Joaquim Prieto)
A03. Begin The Beguine – (Cole Porter)
A04. Sonho de Amor – (Franz Liszt)
A05. Les Feuilles Mortes – (Joseph Kosma / Jacques Prévert)
A06. Amapola – (Joseph M. Lacalle)

Fonogramas Lado B
B01. La Violetera – (José Padilla / Eduardo Montesinos)
B02. The Exodus Song – (Ernest Gold / Pat Boone)
B03. Solamente Una Vez – (Agustin Lara)
B04. Concerto Nº 1 (Tema de Tschaikovsky) – (Henrique Gandelman)
B05. Estrellita – (Manuel Ponce)
B06. Tua – (G. Malgoni / B. Pallesi)

Orquestra : Mega

Serenata : Zip

Tropical : File

2 Comentários

  • Decio Frederico Viccino disse:

    Adoro este site que é de muito bom gosto!
    Notei, contudo, a falta de um cantor que a meu ver tem uma voz maravilhos, embora não tenha feito um grande sucesso! Trata-se de Pery Ribeiro! Existe algum projeto para inclusão deste artista?

    • admin disse:

      Decio

      Bom dia

      Você tem razão, vamos providenciar alguns exemplares que tenho.

      Carlão
      Saúde, Paz e Bem

Deixe uma resposta