Broadway! A Magia dos Musicais – Música de Cinema – Lp 06 de 07 (1985)

Broadway

Resenha do Long Playing

A Broadway é uma avenida da cidade de Nova York, EUA, que atravessa a Times Square, o condado de Manhattan e do Bronx. E é famosíssima pelos seus teatros que exibem superproduções de musicais, sendo que vários deles permanecem anos e anos em cartaz. O circuito Broadway compõe-se de 43 teatros.

Inúmeros musicais de sucesso na Broadway foram adaptados para o cinema, onde , em muitos casos, repetiram o êxito nos palcos. E alguns temas de filmes baseados nesses musicais formam o sexto volume da série “Música de cinema”, que o Baú de Long Playing nos oferece hoje. Abrindo o disco, “Maria”, de Leonard Bernstein (1918-1990), da trilha de “Amor, sublime amor (West Side story)”, baseado no clássico shakespeariano “Romeu e Julieta”, encenado nos palcos pela primeira vez em 1957 e transposto para a telona em 1961. “Um violinista no telhado (Fiddler on the roof)”, musical em dois atos de Jerry Boch e Sheldon Harnick, passado na Rússia dos czares, teve sua primeira montagem na Broadway em 1964, ganhando adaptação cinematográfica em 1971. O tema escolhido, “If I were a rich man”, é do primeiro ato da peça, que ficou em cartaz na Broadway por quase dez anos. O celebérrimo “A noviça rebelde (The sound of music)”, de Richard Rodgers e Oscar Hammerstein II, é livremente baseado em um filme alemão de 1956, e estreou na Broadway três anos mais tarde. Em 1965, sob a direção de Robert Wise, e estrelado por Julie Andrews, ganhou as telas de cinema, conseguindo arrebatar cinco Oscars, entre eles os de melhor filme e diretor. Dele, foi escolhida a música “Climb every mountain”. Temos em seguida a música-título de “Grease – Nos tempos da brilhantina”, criado em 1971 por Jim Jacobs e Warren Casey e estreado na Broadway um ano mais tarde. Só que a música, é bom deixar claro, foi feita para o filme de mesmo nome, de 1978, estrelado por John Travolta e Olivia Newton-John, por Barry Gibb em parceria Robert Stigwood, produtor da película. De “Can can”, escrito por Abe Burrows e adaptado para o cinema em 1960, sob a direção de Walter Lang, temos “I love Paris”, de Cole Porter, que teve inúmeras composições suas aproveitadas na trilha do filme. “Cabaret”, de John Kander e Fred Ebb, com libreto de John Masteroff, estreou na Broadway em 1966 e ganhou as telonas seis anos mais tarde (1972), sob a direção de Bob Fosse, estrelado por Liza Minnelli e Joel Grey, por sinal vencedores do Oscar (o filme ganhou mais seis estatuetas, entre elas a de melhor diretor). Aqui, o tema-título, composto pelos autores da peça. E como esquecer “Hair”? Escrito por Gail MacDermot, com letras de James Rado e Gerome Ragni, estreou na Broadway em 1968, ganhando montagens em outros países, inclusive no Brasil. Dele foi incluído o hit “Good morning, starshine”. A adaptação cinematográfica viria em 1979, sob a direção do tcheco Milos Forman, sendo igualmente bem-sucedida. “Hello, Dolly”, de Jerry Herman, do qual foi extraído o tema-título, foi encenado na Broadway pela primeira vez em 1964, e sua versão cinematográfica, estrelada por Louis Armstrong e Barbra Streisand, sob a direção de Gene Kelly, foi produzida em 1969, arrebatando os Oscars de trilha sonora, direção de arte em musicais e som, embora não tivesse muito êxito nas bilheterias. “Summertime”, de George Gershwin, a faixa seguinte, é o tema musical mais conhecido da peça “Porgy and Bess”, encenada pela primeira vez em 1935. Tem inúmeras gravações, e foi aproveitado em vários filmes cinematográficos. “I’ve grown accostumed to her face” é do musical “My fair lady”, de Frederick Loewe e Alan Jay Lerner, encenado na Broadway pela primeira vez em 1956. Levado para o cinema em 1964, sob a direção de George Cukor, e estrelado por Audrey Hepburn e Rex Harrison, arrebatou oito Oscars, incluindo os de filme, ator, direção e trilha sonora. “Ol’ man river”, de Jerome Kern, é de “O barco das ilusões (Slow boat)”, baseado em livro de Edna Ferber publicado em 1926. Teve duas famosas adaptações para o cinema ,a primeira em 1936, exibida no Brasil como “Magnólia” (nome da personagem principal), e a segunda em 1951. Por fim, temos “The say it’s wonderful”, de Irving Berlin, de “Bonita e valente (Annie, get your gun)”, de 1946, transposto para o cinema em 1950, sob a direção de George Sidney, Busby Berkeley e Charles Walters, e estrelado por Betty Hutton. Enfim, uma amostra primorosa do que melhor foi produzido para os musicais da Broadway, tendo depois sucesso também nas telas do cinema.

Texto: SAMUEL MACHADO FILHO

Broadway! A Magia dos Musicais – Música de Cinema – LP 06 de 07

Álbum: Broadway! A Magia dos Musicais
Ano/Gravadora: (1985) DISCOS ABRIL MDC 006 – Gravação original CDM-RFA cedida por Alldisc – Brasil
Artista(s) do Álbum: Vários
Acervo: Barbosa
Formato: Vinil – 320 kbps

Fonogramas Lado A – Lp 06 de 07
A01. MARIA (Amor, sublime amor) – (Bernstein/62183907)
A02. IF I WERE A RICH MAN (Um violinista no telhado) – (Boch/Harnick/62183877)
A03. CLIMB EVERY MOUNTAIN (A noviça rebelde) – (Rogers/Hammerstein/62183826)
A04. GREASE (Nos Tempos da brilhantina) – (B. Gibb-Stigwood/Unichappell/62183893)
A05. I LOVE PARIS (Can-Can) – (C. Porter/62183885)
A06. CABARET – (Kander/Ebb-Valanda Music/62183982)

Fonogramas Lado B – Lp 06 de 07
B01. GOOD MORNING STARSHINE (Hair) – (MacDermot/Ragni/Rado-United Artits Corp/62183966)
B02. HELLO, DOLLY – (S. Herman – Chappel Morris/62183958)
B03. SUMMERTIME (Porgy and Bass) – (G. Gershwin/62183974)
B04. I’VE GROWN ACCOSTUMED TO HER FACE (My fair lady) – (Loewe/Lerner/62184059)
B05. OLD MAN RIVER (O barco das ilusões) – (J. Kern/62184032)
B06. THE SAY IT’S WONDERFUL (Bonita e valente) – (I. Berlin/62183850)

A Magia dos Musicais – Música de Cinema : Zip

A Magia dos Musicais – Música de Cinema : File

 

Deixe uma resposta