LP Ernesto Lecuona – Sempre No Meu Coração – MUSIDISC

Ernesto Lecuona

Resenha do LP Ernesto Lecuona – Sempre No Meu Coração – MUSIDISC (1975)

Sempre No Meu Coração Música Inesquecível de Ernesto Lecuona na Interpretação da Orquestra Românticos de Cuba – El Cubanito e Sua Orquestra

O Baú de Long Playing proporciona hoje um encontro com a obra musical de um dos mais expressivos compositores latino-americanos: Ernesto Lecuona.

Batizado com o nome completo de Ernesto Sixto de la Asunción Lecuona Casado, nosso focalizado veio ao mundo na capital de Cuba, Havana, distrito de Guanabacoa, no dia 6 de agosto de 1895, filho do jornalista espanhol (das Ilhas Canárias) Ernesto Lecuona Ramos, ali radicado. Ele começou a estudar piano com sua irmã, Ernestina , e foi um talento precoce: aos cinco anos de idade, lá estava o pequeno Ernesto dando seu primeiro recital. Aos treze anos, compôs sua primeira música: a marcha “Cuba y América”. Estudou música no Conservatório Peyrellade, sob a supervisão de Antonio Saavedra e Joaquin Nin. Graduou-se no Conservatório Nacional de Havana e, aos 16 anos, conseguiu uma medalha de ouro em interpretação. Lecuona iniciou sua carreira internacional em Nova York, EUA, atuando no Aholian Hall, e prosseguiu seus estudos na França, com o lendário Maurice Ravel. Ele foi o introdutor, nos EUA, da primeira orquestra especializada em ritmos latinos: os Lecuona Cuban Boys. Junto a Gonzalo Roig e Rodrigo Prats, Ernesto Lecuona integra a mais importante trilogia de compositores do teatro lírico cubano, especialmente da zarzuela, o estilo mais significativo de sua carreira. Tem uma obra musical extensa e de qualidade, e entre seus intérpretes mais famosos está o tenor mexicano José Mojica, futuro frade franciscano, que Lecuona levou para realizar inúmeros concertos no Teatro Nacional de Havana, em 1931. Entre esse ano e o de 2015, suas obras apareceram em quase 100 filmes e em alguns programas de TV, e o próprio Lecuona apareceu em três películas: “Adiós, Buenos Aires” (1938), “Mamá Glória” (no Brasil, “O assassino de Miami”, 1941) e “Carnaval em Costa Rica” (1947), neste último como regente de orquestra, não creditado.

Já doente, em 1960, Ernesto Lecuona radicou-se nas Ilhas Canárias. E foi lá, mais precisamente em Santa Cruz de Tenerife, durante uma visita à antiga moradia de seus pais, que ele veio a falecer, no dia 29 de novembro de 1963. Seu túmulo está no Cemitério Gate of Heaven, em Hawthorne, Nova York.

Neste álbum oferecido hoje a vocês pelo Baú de Long Playing, uma seleção de dez dos trabalhos mais engenhosos e expressivos da obra musical de Ernesto Lecuona. O LP foi lançado originalmente em 1964, pela Musidisc de Nilo Sérgio, com o número de catálogo Hi-Fi-2090, tendo merecido reedições posteriores pela RCA, em 1971, e pela própria Musidisc , em 1975, esta sob número MLP-7010. Para reviver a obra do mestre cubano, foram designados a brasileiríssima orquestra Românticos de Cuba, e o não menos brasileiríssimo El Cubanito, cada um ocupando uma face do LP.

Os Românticos de Cuba, neste disco, revivem a faixa-título, “Sempre no meu coração” (que deu título também a um filme norte-americano de sucesso, produzido pela Warner em 1942), e ainda “Malagueña” (nada a ver com o famoso huapango mexicano de mesmo nome), “Eclipse” , “Canto índio” e “Siboney”. O lado B foi destinado a El Cubanito, pseudônimo do carioca Álvaro Francisco de Paula, ex-funcionário do Ministério da Fazenda. Ele adorava cantar músicas cubanas e latinas em geral, daí o nome artístico. À frente de sua orquestra, ele recorda cinco hits autorias de Ernesto Lecuona: “Andalucia”, “Tabú”, “Jungle”, “Para me vigo me voy” e – vejam vocês! – “Babalu”! Que, na verdade, é de autoria da prima de Ernesto Lecuona, Margarita. Como vocês sabem, este “motivo afro-cubano” tornou-se, no Brasil , eterno carro-chefe da cantora Ângela Maria, e mereceu gravações por inúmeros intérpretes em todo o mundo. Enfim, um trabalho com toda a simplicidade e apuro técnico que caracterizavam as produções da Musidisc. Grande compositor, grandes clássicos mundialmente famosos… Que mais se pode querer?

Texto: SAMUEL MACHADO FILHO

Álbum: Sempre no Meu Coração (A Música Inesquecível de Ernesto Lecuona)
Ano/Gravadora: (1975) MUSIDISC MLP-7010
Artista(s) Participantes Lado A : Orquestra Românticos de Cuba
Artista(s) Participantes Lado B : El Cubanito e Sua Orquestra
Produção: Nilo Sérgio
Acervo: Carlão
Formato: Vinil – 320 kbps

Fonogramas Lado A (Orquestra Românticos de Cuba)
A01. Sempre No Meu Coração
A02. Malagueña
A03. Eclipse
A04. Canto Indio
A05. Siboney

Fonogramas Lado B (El Cubanito e Sua Orquestra)
B01. Andalucia
B02. Tabú
B03. Jungle
B04. Para Me Vigo Me Voy
B05. Babalú

Românticos de Cuba : Mega

El Cubanito e Sua Orquestra : Zip

Sempre no Meu Coração : File

2 Comentários

Deixe uma resposta