LP Pery Ribeiro – Pery Ribeiro (1972)

Pery Ribeiro

Resenha do LP

Pery Ribeiro – Pery Ribeiro.

“Foi possivelmente o cantor mais subestimado do Brasil, e uma das principais vozes da bossa nova. Possuía técnica, afinação, gosto apurado e inteligência musical de sobra, e cantava todos os estilos”. Assim a revista “Rolling Stone Brasil” define Pery Ribeiro, que foi indiscutivelmente um senhor intérprete, e ocupa a sexagésima-quarta posição na lista dos cem melhores cantores brasileiros de todos os tempos, elaborada pela mesma publicação.

Como vocês por certo já sabem, Pery Ribeiro era filho do compositor Herivelto Martins e da cantora Dalva de Oliveira. Recebeu, inclusive, na pia batismal, o nome de Pery Oliveira Martins, e veio ao mundo a 27 de outubro de 1937, no Rio de Janeiro. Tinha sete irmãos, um de pai e mãe, Ubiratan, o Bily, cinco por parte de pai, e uma irmã adotiva, por parte de mãe. Começou a carreira ainda na infância, aos três anos de idade, dublando o anão Dengoso no filme “Branca de Neve e os sete anões” longa de animação de Walt Disney, com sua mãe, Dalva de Oliveira, interpretando a personagem-título. Aos cinco anos, em 1942, participou do famoso filme inacabado que Orson Welles fez no Brasil, “It’s all true”. Grande admirador da obra artística de seus pais, foi através deles que decidiu-se pela carreira de cantor. Em 1959, quando trabalhava como operador de câmera na TV Tupi, foi convidado para participar do programa de Paulo Gracindo, na lendária Rádio Nacional. Foi aí que, por sugestão de César de Alencar, outro apresentador consagrado da PRE-8, adotou o nome artístico que o consagrou: Pery Ribeiro. Sua estreia em disco deu-se no mesmo ano, pela Odeon, num 78 rpm em que interpretava duas composições de Luiz Bonfá e Antônio Maria, ambas do filme “Orfeu negro”: “Manhã de carnaval” e “Samba de Orfeu”. Um ano antes, 1958, teve sua primeira composição autoral gravada, “Não devo insistir”, parceria com Dora Lopes, na voz da mãe, Dalva de Oliveira. Em 1961, veio o primeiro LP, “Eu gosto da vida”. Em toda a carreira, Pery Ribeiro lançou 32 álbuns, doze deles dedicados à bossa nova, e vários compactos. Foi ele, inclusive, o primeiro a gravar, em 1963, o clássico “Garota de Ipanema”, de Tom Jobim e Vinícius de Moraes, até hoje uma das músicas brasileiras mais conhecidas e executadas em todo o mundo. Desenvolveu trabalhos mais jazzísticos, ao lado de Leny Andrade, viajando pelo México, Europa e EUA, onde atuou também ao lado do conjunto de Sérgio Mendes, entre 1966 e 1970. Ganhou cinquenta troféus e doze prêmios, como os troféus Imprensa, Chico Viola e Roquette Pinto. Apresentou programas de televisão e apareceu cantando também em filmes nacionais. Teve dois filhos, Paula (do primeiro casamento, com Tereza) e Bernardo (do segundo, com Ana Duarte). Pery Ribeiro faleceu em 24 de fevereiro de 2012, em seu Rio de Janeiro natal, aos 74 anos, de infarto. Seu último trabalho em disco foi “Pery Ribeiro abraça Simonal – Dueto com os amigos”, lançado no ano seguinte. pela Atração Fonográfica.

Da extensa bagagem discográfica de Pery Ribeiro, o Baú de Long Playing foi buscar o álbum que ele lançou pela Odeon, em 1972, sem título. E com um repertório de primeira linha, como de praxe em seus discos, apresentando composições de Taiguara (“Dois animais na selva suja da rua”, “Cacos”), da dupla Antônio Carlos e Jocafi (“Morte do amor”, parceria com Alberto Santos Pinheiro), de Paulo César Gyrão (“Noves fora nada”, “Essa rua, essa tarde”, “Diariamente”), e trabalhos do próprio Pery, um deles em parceria com o pai, Herivelto Martins. Fatores esses que, aliados às orquestrações primorosas, às excelentes interpretações e ao elevado padrão técnico da gravação que caracterizava nessa época as produções discográficas da “marca do templo”, fazem deste álbum do saudoso Pery um dos melhores por ele gravados. Enquanto houver quem aprecie o que há de bom em matéria de música, Pery Ribeiro será sempre lembrado como um dos mais perfeitos cantores que o Brasil já teve em todos os tempos!

Texto: SAMUEL MACHADO FILHO.

Pery Ribeiro – Pery Ribeiro (1972)

Álbum: Pery Ribeiro
Ano/Gravadora: (1972) Odeon SMOFB 3717
Artista(s): Pery Ribeiro
Acervo: El Paso
Formato: Vinil – 320 kbps

Fonogramas Lado A
A01. Dois Animais na Selva Suja da Rua – (Taiguara)
A02. Metades – (Pery Ribeiro / Gerson)
A03. De Volta – (Jorge Omar)
A04. Morte do Amor – (Antônio Carlos Pinto / Jocafi / Alberto Santos Ribeiro)
A05. Noves Fora Nada – (Paulo César Gyrão / Gerson)

Fonogramas Lado B
B01. Canto Livre – (Herivelto Martins / Pery Ribeiro)
B02. Cacos – (Taiguara)
B03. Só Quero – (Dal Ton / Lililo)
B04. Essa Rua Essa Tarde – (Paulo César Gyrão / Gerson)
B05. Diariamente – (Paulo César Gyrão / Gerson)

Baú de Long Playing: Mega ….. ou ….. Zip ….. ou ….. File

6 Comentários

  • Valeu! Esse interprete é o que faltava no acervo do Bau de Long Playiing. Adorei e agradeço a iniciativa

  • Decio Frederico Viccino disse:

    Estou aguardando com grande expectativa os demais trabalhos de Pery Ribeiro que estão sendo preparados! Quem sabe em um desses discos apareça a musica João Valenão, que interpretada por ele é sensacional! Ouvi muito em minha juventude!

    • admin disse:

      Décio

      Está quase saindo do forno

      Carlão
      Saúde, Paz e Bem

      • Obrigado pela resposta
        Em tempo: Tenho muitos LP1s, que posso compartilhar com vcs. Sei copiar em midia eletronica, mas não sei remasterizar. Se tiverem interesse estou a disposição.. Como exemplo tenho muitos Classicos, Gal Costa (quase todos), Carpenters, Johnny Mathis diem. Tenho muitos da Bethania,, um ou outro de Frank Mills, Liberace, Clayderna,, etc
        Abraços

        • admin disse:

          Decio

          Sua contribuição será benvinda. A remasterização nos faremos com o maior prazer. Só pedimos que nos envie junto a captura bruta as Capas e os Selos

          O link pode ser mandado para o e-mail : carlos_andrade10@yahoo.com.br

          Carlão
          Saúde, Paz e Bem

Deixe uma resposta