Soireé dançante – Cid Gray e Sua Orquestra (1959)

Soiree dancante

Resenha do Long Playing

O Baú de Long Playing oferece hoje a vocês o LP “Soireé dançante”, mais um álbum dançante, daqueles que tinham retorno garantido nas décadas de 1950/60, com a orquestra do maestro Cid Gray, pseudônimo de Renato de Oliveira.
Renato foi conceituado orquestrador e regente, tendo trabalhado para inúmeros cantores, entre eles Cauby Peixoto, Dóris Monteiro, Zezé Gonzaga, Alcides Gerardi e Lana Bittencourt, todos então contratados da gravadora Columbia, hoje Sony Music. Foi lá que gravou, com sua orquestra, seu primeiro LP, o dez polegadas “Fascinação”, lançado em 1956. Alguns anos mais tarde, mudou-se do Rio de Janeiro para São Paulo, e formou uma orquestra de dança, já com o pseudônimo de Cid Gray. O sucesso foi imediato, e logo a Orquestra Cid Gray tornou-se bastante requisitada para animar bailes e festas dançantes.
Paralelamente, Renato de Oliveira prosseguiu com seu trabalho em disco. Além de fornecer suporte instrumental para as gravações de cantores diversos, deixou uma discografia própria que abrange um total de 14 LPs, cinco deles com o pseudônimo de Cid Gray e os demais com seu nome verdadeiro, além de quatro discos 78 rpm com oito músicas e um compacto duplo. Participou ainda das trilhas sonoras das novelas “Ídolo de pano” (1974), “Ovelha negra” e “Meu rico português” (ambas de 1975), todas da extinta TV Tupi.
Este “Soireé dançante”, lançado pela RGE em 1959, foi o primeiro álbum em que Renato usou o pseudônimo de Cid Gray. A fórmula é conhecida: sucessos nacionais e internacionais da ocasião, especialmente orquestrados para dançar. Na parte nacional, foram incluídos “Chega de saudade” (da parceria Tom Jobim-Vinícius de Moraes, considerado o marco inicial da explosão da bossa nova), “Tudo ou nada” (de Fernando César), “Solidão’ (samba-canção clássico de Dolores Duran), “Vai, mas vai mesmo” (do mestre Ataulfo Alves) e o bolero “Aperta-me em teus braços” (então hit de Anísio Silva). No setor internacional, entraram o bolero “Tu me acostumbraste”, o fox “Till” (título em inglês de “Prière sans espoir”, música de origem francesa), a guaracha “Ave Maria Lola”, a balada-rock “Twilight time” (então hits dos Platters) e as italianas “Come prima” e “Piccolissima serenata”, além da menos conhecida “Roselle”. E era apenas o começo: logo viriam mais dois volumes de “Soirée dançante”, certamente pela ótima aceitação do público para este primeiro da série, que o Baú de Long Playing nos apresenta hoje. Que começe a festa!

Texto: SAMUEL MACHADO FILHO

Soireé dançante – Cid Gray e Sua Orquestra

Álbum: Soireé dançante
Ano/Gravadora: (1959) RGE XRLP 5044
Artista(s) Participantes: Cid Gray e Sua Orquestra
Artista(s): Cid Gray
Acervo: Eliane
Formato: Vinil – 320 kbps

Fonogramas Lado A
A01. Chega de Saudade – (Tom Jobim / Vinicius de Moraes)
A02. Tudo Ou Nada – (Fernando César)
A03. Roselle – (Joe Sherman / Noel Sherman)
A04. Tu Me Acostumbraste – (Frank Domínguez)
A05. Solidão – (Dolores Duran)
A06. Come Prima – (Mario Panzeri / Sandro Taccani / Vincenzo Di Paola)

Fonogramas Lado B
B01. Vai, Mas Vai Mesmo – (Ataulfo Alves)
B02. Twilight Time – (Buck Ram / Morty Nevins / Al Nevins / Artie Dunn)
B03. Ave Maria Lola – (Sergio Gonzalez Siaba)
B04. Till – (Carl Sigman / Charles Danvers)
B05. Piccolissima Serenata – (Gianni Ferrio / Antonio Amurri)
B06. Aperta-me Em Teus Braços – (Anísio Silva / Almeida Rego)

Soireé dançanteZip

Soireé dançante : File

Deixe uma resposta